quinta-feira, 16 de julho de 2009

Impotência da Ação


Eu ando com tantas idéias, mas não as coloco no papel por falta de motivação. Que desgraça é ser este ser de emoções e químicas que nos faz humano.

Estímulos e reações que nos limitam a criatividade e o querer. Bem diziam os gregos: “Mens sana in corpore sano” (Uma máxima de Juvenal, que, acreditava ele, ser o ideal humano). Não me basta um corpo são sem uma mente que o acompanha e vice-versa.

Que faço eu dessa minha moleza tão angustiante que me amordaça os movimentos do espírito? A resposta talvez seja: um grande amor findo traz essa mobilidade de sentidos.

Que eu me cure e os quadrinhos prossigam.

Dominus tecum.

Nenhum comentário:

Postar um comentário